+55 49 3442-1087

setcom@setcom.org.br

Notícia

SETCOM preocupado com a demora na manutenção das rodovias em SC

05/07/2022

Dez mortes e 217 feridos devido ao caos nas rodovias federais de Santa Catarina nos últimos cinco anos, segundo os dados da Polícia Rodoviária Federal. As informações constam em uma reportagem do site de notícias G1/SC, divulgado na segunda-feira, dia 4. Foram mais de 205 acidentes registrados, todos provocados pela má conservação dos trechos federais de responsabilidade do Departamento Nacional de Infraestrutura (DNIT).


De acordo com o presidente do Sindicato das Empresas de Transporte de Cargas do Oeste e Meio Oeste Catarinense, Ederson Vendrame, a situação das rodovias no contexto geral está preocupante.


Não são apenas os trechos federais que estão provocando acidente, mas também as rodovias sob a responsabilidade do Governo do Estado. “Estamos enfrentando muitas dificuldades. Não é apenas o caminhoneiro que sofre ou o empresário do ramo de transportes, mas os motoristas de veículos leves”, lembra.


As mortes mais recentes foram registradas em Ponte Serrada, BR-282, quando duas carretas colidiram e uma delas incendiou. O motorista teria tentado desviar de um buraco quando houve a colisão. O outro acidente envolveu um motociclista na BR-158 em Cunha Porã. O condutor da motocicleta perdeu o controle da direção após cair em um buraco devido a falta de manutenção.


“O problema vem se arrastando por muitos anos. Os trechos não recebem investimentos há décadas. As medidas são apenas paliativas. Por isso, de tempo em tempo os problemas se agravam e o dinheiro público mal investido não gera retorno ao contribuinte”, reitera.


O Transporte Rodoviário de Cargas do Brasil é responsável pela logística de mais de mais de 60% de tudo o que se produz e consome no País.


“Além do preço alto do combustíveis os empresários e motoristas também precisam com frequência arcar com os prejuízos e danos nos veículos. Não conseguimos mais continuar nessa situação. É preciso investimento e agilidade por parte do ente público”, cobra.

Image title